Dicas

Pode comer no carro? Veja os cuidados!

Todos nós sabemos que o ritmo de vida nas grandes cidades é frenético. E por isso, se torna inevitável que em algum momento de nosso trajeto, seja necessário comer no carro.

De uma simples barrinha de cereal até um lanche fast food, todo mundo já matou a fome no trânsito para ganhar tempo.

Mas existem algumas dúvidas sobre não comer ou comer no carro, e são elas que queremos sanar nesse texto. Confira!

Comer no carro

Comer no carro pode dar multa?

Pode parecer que este comportamento não afeta a sua segurança e a de outros condutores no trânsito, mas comer dentro do carro pode ser mais perigoso do que você imagina, especialmente para o motorista, que pode até levar multa.

Conduzir sem uma das mãos (que estará ocupada com a comida ou a bebida) é infração média, com perda de quatro pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e multa de R$130,16.

Comer no carro pode causar acidentes

Mais do que a chance de levar multa, dirigir e comer ao mesmo tempo tira a atenção do motorista e atrapalha o acionamento dos comandos do carro, o que pode gerar um grave acidente.

Segundo levantamento do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), 59% dos acidentes de veículos registrados no Brasil são causados por distrações ao volante, como usar o celular, comer ou beber, fumar, mexer no sistema de áudio do veículo ou discutir com outra pessoa.

O estudo do ONSV indica que se o motorista se distrair por cinco segundos na direção a uma velocidade de 60km/h, percorrerá 80 metros sem saber o que está fazendo ou o quê (ou quem) está à sua frente. Se estiver a 100km/h e acender um cigarro, perderá até dois segundos da sua atenção e terá percorrido distância de 115,9 metros. Distrair-se mudar a estação de rádio representa três segundos de atenção e 143,7 metros de percurso.

Comer no carro: pode causar doenças?

Embora não seja proibido enquanto o veículo estiver parado ou para passageiros, comer dentro do carro não é recomendado por alguns motivos.

O primeiro é a sujeira, que inevitavelmente se espalhará pela cabine, e os resíduos de alimentos aumentarão o crescimento de bactérias, bactérias e fungos. Esses microrganismos são prejudiciais à saúde, principalmente se você anda sempre com o ar condicionado ligado.

Ao comer no carro você pode colocar a vida das crianças em risco.

Quem tem filhos sabe que é quase impossível não dar mamadeira, fruta ou suco quando começa a fome.

Como a mastigação, respiração e digestão ainda estão em desenvolvimento, é muito comum a criança engasgar com o movimento do carro, então, por mais que parece que esteja cuidando dele ou dela, a realidade é a de que a vida dela ou dele pode estar em risco. E isso pode ser fatal.

Neste caso, a melhor maneira é evitar sair de carro com a criança nos horários em que ela sente fome. Caso seja inevitável, ofereça o alimento antes de sair. Se você der a mamadeira apenas uma vez quando ela estiver na cadeirinha, pode ter certeza que ela vai querer sempre.

Comer no carro pode desvalorizá-lo!

Quer coisa mais desagradável do que o interior fedido e manchado de um carro? Sabe a mão engordurada de batata frita? Ela toca:

  1. O volante;
  2. A alavanca do câmbio;
  3. A alavanca ou a tecla do freio de estacionamento;
  4. Os bancos e puxadores;
  5. A tela da central multimídia;
  6. Os comandos do vidro ou do ar condicionado;
  7. As maçanetas das portas;

Sem contar aquela batatinha que cai no vão entre os bancos e fica até a lavagem seguinte, isso se não ficar para sempre.

Tem também as bebidas, que podem cair e manchar o revestimento dos assentos e o carpete, além do risco de derramarem no porta-copos.

Uma higienização completa do interior do carro vai lhe custar entre R$300 e R$600.

Na  revenda, pode ter certeza que o vendedor da concessionária vai descontar o valor na avaliação para realizar o serviço. Afinal, ninguém vai querer comprar um carro usado que esteja com o interior sujo.

Sempre abra a embalagem do produto com o carro parado e mantenha lenços umedecidos para limpar as mãos após as refeições. Ao chegar ao seu destino, verifique se não caiu nada dentro do carro, limpe o carpete e descarte o lixo restante.

Agora que já sabe que a melhor opção é não comer no carro, mas e beber dirigindo?

O ato de consumir bebidas alcoólicas ao dirigir foi comum por muitos anos no Brasil, especialmente em datas festivas como o Carnaval e durante o verão no litoral. Não havia um limite de teor alcoólico necessário para a caracterização do crime, bastando que o motorista estivesse sob a influência de álcool. E a fiscalização era branda.

Lei seca

A lei 11.705, de 19 de junho de 2008, conhecida popularmente como Lei Seca, alterou o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e proibiu a condução de veículos para motoristas com concentração de álcool por litro de sangue igual ou superior a seis decigramas. As blitzes tornaram-se bastante comuns e as multas e apreensões dispararam.

Limite zero

Pouco mais de quatro anos depois, em dezembro de 2012, foi sancionada a lei 12.760, que estabeleceu tolerância zero ao álcool e reforçou os instrumentos de fiscalização do cumprimento da Lei Seca: provas testemunhais, vídeos e fotografias passaram a ser aceitos como provas de que um motorista dirige sob efeito de álcool.

Multa e prisão

Se for flagrado dirigindo embriagado – ou recusar o teste do bafômetro – o condutor pode ser multado em R$2.934,70, e o valor dobra se o motorista for flagrado novamente dentro de um ano.

O condutor terá seu direito de dirigir suspenso por 12 meses, além de ter o veículo recolhido, caso não apresente uma pessoa habilitada e em condições de dirigir.

Caso seja flagrado com concentração igual ou superior a 0,3 mg de álcool por litro de ar ou de 0,6 g/L no sangue, pode ser multado e também enquadrado em crime de trânsito. A pena prevista é de seis meses a três anos de detenção. Se causar um acidente com morte, o condutor pode pegar até oito anos de prisão.

A pressa pode terminar em acidente

Os poucos minutos que você ganha ao comer ou realizar outras atividades dentro do carro enquanto dirige podem ter um custo alto. Muito mais do que aumentar as chances de prejuízos materiais, você poderá causar um acidente que envolva sua vida e de outras pessoas que não têm nada a ver com a sua pressa. Pense nisso.